até
terça-feira, 21 de janeiro de 2020
Preço do leite sobe na safra com pressão de produtos industrializados
Diário do Comércio

Com custo alto, a produção mineira de leite foi de 8,9 milhões de litros em 2019 - Crédito: Alina Souza/Especial Palácio Piratini

Mesmo em período de safra, a tendência do mercado do leite, em Minas Gerais, é de aumento dos preços.

A alta vem sendo promovida pela valorização de produtos industrializados, principalmente o leite em pó e a muçarela. De acordo com o Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Estado de Minas Gerais (Conseleite-Minas), está previsto para a produção entregue em janeiro e paga em fevereiro um aumento de 1,6% nos preços do leite padrão no Estado, com cotação por litro de R$ 1,31.

Porém, para que a alta seja sustentada ao longo dos próximos meses, será necessária uma reação da economia, o que é essencial para estimular o consumo.

Segundo o presidente da Comissão Estadual de Pecuária de Leite da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e coordenador do Conseleite Minas, Eduardo Pena, o setor está animado em função da tendência de alta em plena safra, quando, normalmente, é registrada desvalorização dos preços.

O que provocou a reação nos preços, em janeiro, foram os aumentos verificados nos preços do leite em pó e da muçarela, produtos mais fabricados pelo setor lácteo. O quilo do leite em pó subiu de R$ 16,15, em janeiro de 2019, para R$ 16,95 em janeiro de 2020. Também foi verificada valorização dos queijos, principalmente, da muçarela, que subiu de R$ 17,15 em janeiro de 2019, para R$ 18,62 no mês atual, por quilo. No período, somente o leite UHT teve o preço reduzido, caindo de R$ 2,36 para R$ 2,34 por litro.

“Nós estamos na safra de leite, então, normalmente, é um período de maior oferta pela disponibilidade ampla de pastagem e, por isso, você tem preços em baixa. O que nos deixou animados é que, no momento de safra, o preço está com tendência de alta. O que precisamos entender é que, para a permanência da alta, a economia precisa reagir para estimular o varejo”, explicou.

Ainda conforme Pena, as expectativas são positivas em relação à retomada da economia. “Esperamos que a economia dê uma aquecida. Agora, teremos a volta às aulas e o consumo nas escolas aumenta. O mercado está melhorando e a expectativa é de um PIB maior. A economia voltando a crescer tem impacto direto no setor”, disse.

De acordo com os dados do Conseleite Minas, a tendência para o pagamento de fevereiro, referente à produção entregue em janeiro, é de um avanço de 1,6%, com o litro de leite padrão calculado em R$ 1,31. O leite padrão tem teor de qualidade e volume definidos. A cotação mais alta, que depende da qualidade e do volume, pode chegar a R$ 1,64 por litro e a menor, a R$ 1,21.

Custos elevados – Um dos principais desafios para o setor continua sendo os custos de produção, principalmente, com a alimentação do rebanho. “Hoje, os nossos custos estão elevados. Nós esperamos que, com a entrada da safra de milho, os custos caiam um pouco. O preço da soja também está mais alto, então, isso impacta diretamente no custo da produção. Além disso, os gastos com energia, salário mínimo e medicamentos ficaram maiores. Hoje, fala-se de custos entre R$ 1,10 a R$ 1,20. O produtor precisa estar com controle da gestão, porque a margem de lucro é muito pequena e qualquer alteração pode significar prejuízos”, explicou Pena.

Com custos elevados e baixa rentabilidade, a produção de leite em Minas Gerais ficou abaixo da expectativa. Em 2019, foram produzidos 8,9 bilhões de litros, mas a expectativa era de produzir cerca de 10 bilhões de litros. De acordo com Pena, o alto custo fez com que muitos produtores abandonassem a atividade.

Outro fator que pode impactar na produção do leite, em 2020, são os preços do boi gordo próximos a R$ 200, o que estimulou a venda de animais em 2019.

“Muitos produtores, que estavam com prejuízos, aproveitaram o mercado firme do boi gordo e venderam novilhas e vacas. Apesar dos preços não serem os mesmos do boi gordo, os animais estavam valorizados. Não sabemos o impacto ainda, mas vai desfalcar no futuro”, afirmou Pena.

Últimas notícias publicadas
17/09/2020 Planejamento Anual de Trabalho para 2021 é tema de reunião em Sete Lagoas
17/09/2020 ATeG Leite e Sebraetec: produtor em Eugenópolis aposta no melhoramento genético
17/09/2020 ATeG Leite: Sistema FAEMG promove encontro de apresentação em Muriaé
17/09/2020 Conectividade no campo
16/09/2020 Conseleite - Valores de referência - Setembro
16/09/2020 Após atuação do SENAR, produtor comemora avanços na propriedade da família em Formoso
16/09/2020 ATeG: apicultores ribeirinhos do Norte de Minas fazem visita técnica à Coopemapi
16/09/2020 Escritório Regional em Juiz de Fora passa por primeira auditoria interna remota do Estado
15/09/2020 Agrotalks – Como investir em startups
15/09/2020 Pesquisa FAEMG: projeto cresce e mobilizadores recebem primeiro pagamento
Ver todas
FAEMG
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3000
E-mail: faemg@faemg.org.br
Senar Minas
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3074
E-mail: senar@senarminas.org.br
INAES
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3109
E-mail: inaes@inaes.org.br
Sindicatos
Avenida do Contorno, 1.771 - Floresta
Belo Horizonte – 30.110-005
Fone: (31) 3074-3028
E-mail: asind@faemg.org.br