Compartilhe

Fazenda vira Unidade Demonstrativa da Embrapa

PROGRAMA AGRONORDESTE
ESCRITO POR SEDE, EM BELO HORIZONTE
22/02/2021 . SISTEMA FAEMG, SENAR

O desempenho exemplar do pecuarista José Sérgio Sicupira no Programa AgroNordeste foi recompensado de uma forma muito especial com a escolha da fazenda, o Rancho Sicupira, em Ponto dos Volantes, como Unidade Demonstrativa da Embrapa Milho e Sorgo. Um encontro feito na propriedade com a participação do Sistema FAEMG/SENAR/INAES, representado pelo gerente regional em Araçuaí, Luiz Rodolfo Antunes, e vários parceiros marcou a continuidade dos trabalhos.

Representantes das entidades parceiras na implantação da UD, no Rancho Sicupira

Para o gerente regional do Sistema FAEMG, a implantação da Unidade Demonstrativa é resultado das parcerias consistentes entre as entidades envolvidas. Ela também prova que o produtor hoje precisa levar a sério o aprimoramento da propriedade: “é importante que o produtor entenda a importância da elevação do nível técnico e, principalmente, de gestão das propriedades. Sem isso, é muito difícil se manter na atividade em um cenário globalizado e competitivo”.

Difusão de tecnologias

A Unidade Demonstrativa (UD) é um centro local de capacitação com objetivo de difundir tecnologias para produtores rurais. De acordo com Fredson Ferreira Chaves, engenheiro agrônomo da equipe de transferência de tecnologia da Embrapa Milho e Sorgo, as UDs atuam em nível municipal. Nelas, as tecnologias são validadas e seus resultados são apresentados em dias de campo para os produtores.

Robspierre Ferraz, coordenador regional de Bovinocultura da Emater, explica que na UD em Ponto dos Volantes foram implantadas na safra 2020/2021 forrageiras em consórcio de sorgo (cultivares BRS658 e Volumax) e capim (Massai e a braquiária Paiaguás). “Os produtores poderão ver in loco o desenvolvimento e a produtividade desses cultivares nas condições aqui do Vale do Jequitinhonha. Faremos o acompanhamento técnico desde a implantação e a condução da lavoura, até a produção da silagem”.

Para se tornar uma UD, a propriedade deve ser de fácil acesso, o produtor deve ser aberto a novas tecnologias, ser referência no local e estar disposto a ceder a fazenda para se tornar uma unidade. Trabalhar a gestão como um todo também é um diferencial, tendo como foco a reserva estratégica de alimento para o gado no período de estiagem, com a recuperação de pastagens em sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP). O Rancho Sicupira foi escolhido por atender a todos esses critérios. De acordo com Fredson, parceiros como a Emater e o SENAR, que oferecem extensão rural e assistência técnica, é que levantam esses perfis.

Dedicação e amor pelo ofício

O sucesso da propriedade de José Sérgio Sicupira é fruto do envolvimento de toda família na observação à risca das orientações desses nove meses de assistência técnica e gerencial. O acompanhamento é feito pelo técnico de campo William Alves Primo, com apoio do Sindicato dos Produtores Rurais de Jequtinhonha. “A fazenda tem uma estrutura muito boa, processos bem definidos e modernos, e todos lá têm amor pelo ofício e muita garra em produzir nos desafios do semiárido, isso é que faz eles serem tão eficientes”, elogia William.

“Logo nos primeiros meses, dividimos os lotes produtivos e realizamos o ajuste na alimentação dos animais, obtendo um ganho médio de 2 litros por cabeça/dia, saindo de 13 para 15 litros. Ajustamos também a qualidade do leite para obter maior renda”, detalha o técnico. Outra medida foi no acompanhamento dos bezerros. “Por meio da pesagem, conseguimos ter um parâmetro excelente quanto à tomada de decisão para o desmame dos animais e, consequentemente, maior desempenho na taxa de disponibilidade”.

Para o produtor, a chegada do SENAR e da Embrapa “foi uma das melhores coisas que aconteceram para a gente aqui” e a tendência é só melhorar. Ele conta que corrigiram a adubação e a meta agora é crescer a área de plantio. “Graças a Deus está dando tudo certo, esse apoio é muito bom. Aprendemos muitas coisas novas, o William é um técnico muito experiente e todos os profissionais envolvidos são muito bons, temos que aproveitar essa oportunidade”, elogia Sicupira.

O técnico William (à esquerda), com o produtor José Sérgio

Projeto específico para a região

Esta e outras 15 UDs são parte de um projeto iniciado em 2016 pela Embrapa, em parceria com o SENAR MINAS, a Emater, Sebrae, Epamig e o Instituto Federal do Norte de Minas (IFNMG), dentre outros paceiros locais, tendo o apoio financeiro da Agência Nacional de Assitência Técnica e Extensão Rural (Anater), das Associações de municípios do Baixo e Médio Jequitinhonha e do Consórcio do Alto Rio Pardo (Nova Ambaj, Ameje e Comar). O objetivo é transferir conhecimento com foco em tecnologias adaptadas para o semiárido da região do Alto Rio Pardo e Médio e Baixo Jequitinhonha.

Além das UDs, a região também tem quatro Unidades de Referência Tecnológica (URTs), centros regionais de capacitação para avaliar, validar e transferir tecnologias. “O SENAR é parceiro desde a primeira hora nesta e em outras ações, atuando na capacitação profissional rural e com o Programa ATeG”, diz Fredson.