Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe


Capacitação e assistência impulsionam atividade leiteira no Triângulo

FIP PAISAGENS RURAIS
ESCRITO POR JULIANA FIDELIS, DE UBERABA
16/10/2023 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, FAEMG

“A virada de chave no nosso negócio rural foi a capacitação, o conhecimento. Fizemos vários cursos do Sistema Faemg Senar e isso agregou muito para compreender as várias etapas do processo de produção do leite. Conseguimos traçar metas e atingir os nossos objetivos”. A declaração é do casal de pecuaristas de leite Kléber Bergamo da Costa e Wanessa Pereira Vitória da Costa. Desde novembro de 2021, quando começou a ser assistido pelo Projeto FIP Paisagens Rurais, o casal se tornou referência na mobilização de produtores no Assentamento Branca Moura, no município de Comendador Gomes, na região do Triângulo Mineiro. O projeto é executado pelo Sistema Faemg Senar e entidades parceiras.

Em quase dois anos de assistência, Kléber e Wanessa participaram de vários eventos, dias de campo e de sete cursos de Formação Profissional Rural e Promoção Social, como inseminador, cria e recria de bezerras, operador de ordenhadeira, diagnóstico e proteção de nascentes, Negócio Certo Rural, entre outros. Muitos foram realizados na própria propriedade do casal que, além de ceder o espaço, também ajudou na mobilização de produtores vizinhos. Esse empenho foi reconhecido com o prêmio de Produtor Destaque do FIP Paisagens Rurais, na categoria Engajamento e Impacto Social, entregue no mês passado.

“Ficamos muito contentes com a premiação. Foi mais satisfatório do que outras conquistas que tivemos, pois conseguimos ajudar a comunidade trazendo conhecimento, que muda a realidade do produtor. Reunimos uma turma e possibilitamos capacitações em diversas áreas, inclusive para atender demandas de outras atividades rurais no assentamento”, ressaltaram.

O aprendizado de cada curso foi colocado em prática de forma imediata no Sítio Terra da Padroeira, de 22 hectares. Um exemplo é o curso de inseminação, feito há um ano. “De lá pra cá estamos trabalhando quase 100% na inseminação. Colocamos o bezerreiro e hoje estamos com o primeiro lote desmamado, fazendo um processo de cria das bezerras, graças aos cursos que fizemos”, completou o casal.

 

Técnica de campo Leila Fernandes recebeu em nome dos produtores o prêmio de Produtor Destaque do FIP Paisagens Rurais, na categoria Engajamento e Impacto Social, em evento no último mês

Chegada do projeto

Kléber e Wanessa passaram a se dedicar à pecuária de leite em 2015. “A gente não estava conseguindo nos manter na cidade. Fechamos a padaria que tínhamos e fomos morar no sítio”, contaram. Nesta época, um vizinho cedeu uma vaca para que tirassem o leite para as três filhas, e os sete litros que sobravam eram vendidos. “Pegamos mais cinco vacas de um senhor que estava parando a produção e o leite era colocado no tanque do vizinho. Com a ajuda da comunidade, fomos trabalhando. Tudo começou com muita dificuldade, mas graças a Deus temos conquistas a comemorar”, afirmou o casal.

Quando o Projeto FIP Paisagens Rurais chegou na propriedade, no final de 2021, os pecuaristas não tinham mais gado arrendado. “A gente estava em um processo de transição, entregamos o arrendamento e começamos a trabalhar com rebanho próprio. Mas, nesta época, todo o processo era bagunçado e não conseguíamos muitos resultados. Por isso, a gente precisava de conhecimento para crescer”, afirmaram.

Kléber e Vanessa durante o treinamento do Senar

Com as orientações da técnica de campo Leila das Dores Fernandes, os avanços na propriedade vieram. Um exemplo foi o ajuste na reprodução, com a diminuição do intervalo de parto das vacas de 18 meses para 12 meses. “A reprodução na propriedade é um ponto que ajustamos. Além disso, depois que ambos fizeram o curso de inseminação artificial de bovinos, a técnica foi adotada na propriedade. A criação das bezerras também mudou, hoje é na mamadeira, e dessa forma sabemos o quanto esses animais estão recebendo de leite e acompanhamos o crescimento através do monitoramento do peso. Também ajustamos a dieta das vacas mensalmente”, explicou a técnica de campo. Ela ressaltou que as pastagens da propriedade foram trabalhadas com análises de solo e adubação.

 

Aumento de 100% na produção

“Com o projeto, nos comprometemos em fazer um trabalho exclusivo em cima do nosso rebanho. Definimos alguns pilares, como o ajuste de reprodução, a recria dos bezerros separados, a qualidade do leite, o melhoramento das pastagens. Dentro desses dois anos, definimos nossas metas e conseguimos resultados satisfatórios”, comemoram os produtores.

Um deles é o aumento da produção de leite, que praticamente dobrou no período, saindo de 170 litros para 330 litros por dia, em média. Atualmente, a propriedade conta com 35 vacas, sendo 26 em lactação. “Durante esses 23 meses, aumentamos a produção de leite, sempre atentos ao custo de produção. Não basta produzir leite, a atividade tem que ser economicamente viável. Kléber e Wanessa são produtores muito comprometidos com a assistência técnica e com potencial para crescerem ainda mais”, completou a técnica Leila Fernandes.

E os planos do casal de pecuaristas não param. “Hoje estamos focados na recuperação de áreas degradadas, no aumento da produção, na melhoria do nosso rebanho. É um trabalho árduo, mas é familiar e já estamos engajando as nossas filhas na atividade rural”, finalizaram.

 

FIP Paisagens Rurais

O Projeto Gestão Integrada da Paisagem no Bioma Cerrado – FIP Paisagens Rurais é financiado com recursos do Programa de Investimento Florestal, através do Banco Mundial. A coordenação é do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, do MAPA, com parceria da Agência de Cooperação Técnica Alemã (GIZ), do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e do MCTIC, por meio do Inpe e da Embrapa.

}