Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe


Produção cresce e alavanca renda de olericultor em Mário Campos

ATEG OLERICULTURA
ESCRITO POR JOSIANE MOREIRA, DE SETE LAGOAS
17/04/2023 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR, FAEMG

Comercialização do broto de feijão e alfafa são grandes apostas

Família tem em folhosas o carro-chefe da produção, mas aposta em novos produtos

Do terreno arrendado de dois mil metros do olericultor Júlio Pereira da Silva, de Mário Campos, é de onde saem folhosas, brotos e hortaliças que abastecem supermercados, sacolões e lares de municípios da região metropolitana de Belo Horizonte. A produção, que tem sido crescente, é cultivada em 8 estufas de olerícolas hidropônicas garantindo o sustento da família.

Entre 2020 e 2021, a produção cresceu 17%. De carona com o bom resultado, também subiu a renda bruta anual do negócio, com um salto de 29%. A melhora é fruto de um trabalho realizado por Júlio e familiares, por meio do programa de Assistência Técnica e Gerencial - ATeG Olericultura do Sistema Faemg Senar. Os números também refletem a participação no SuperAção Brumadinho, iniciativa do Sistema CNA/ Senar em parceria com o Senar Minas, após o rompimento de uma barragem no município em 2019.

Os principais produtos cultivados são a alface crespa, alface roxa, alface lisa, agrião, coentro, couve mizuna, mostarda, rúcula e cebolinha. No entanto, o olericultor também vem apostando fichas no cultivo de brotos de feijão moyashi e alfafa, dois produtos que, afirma, são vislumbrados pela gastronomia. A produção do broto de feijão, por exemplo, chega a cerca de 1.000 embalagens por mês. 

Produtos cultivados por Júlio e família

Todo o trabalho feito por Júlio, citou o produtor, tem o apoio da esposa, Antônia Rocha da Silva, e do filho, Júlio Pereira da Silva Júnior. Para a família, as conquistas já observadas são apenas a ponta de um grande sonho. “São 30 anos trabalhando com a terra. Não seria tão feliz em outra coisa. Enquanto eu tiver saúde é nesse ramo que eu vou batalhar para que nós três possamos seguir juntos e prosperar mais”, comemorou.

Profissionalização

Na propriedade da família, tudo é cuidadosamente cultivado em um quarto climatizado com temperatura controlada, quando da fase de broto. Já a estrutura da hidroponia é simples, em um cano de pvc, mas vem sendo reestruturada após danos causados pelas fortes chuvas e ventos. Após o ingresso no ATeG, algumas práticas têm sido aprimoradas para garantir um melhor resultado.  

Antes, a produção era baixa e, nos meses de setembro a novembro, onde o ataque de pragas é intenso, tornava-se inviável. “Eles também não faziam anotações e não conseguiam visualizar o que impactava economicamente na atividade”, explicou a técnica de campo que os acompanha, Cleidiane Rodrigues de Oliveira. 

Agora, todas as notinhas são separadas por vendas e receitas. Deste modo, fica mais fácil reconhecer os gargalos. Quando o problema é o adubo, por exemplo, busca-se o planejamento das melhores cotações e os cálculos das soluções nutritivas. Outro ponto bastante comum é o encontro de soluções práticas e eficientes para investimento em medidas alternativas durante o manejo no campo. 

A dica da técnica de campo para reduzir o ataque às plantas sem altos investimentos é fazer o Manejo Integrado de Pragas (MIP) introduzindo o uso do controle biológico das pragas e usando armadilhas adesivas para monitoramento e captura dos insetos.

“Os três colocaram a mão na massa e confeccionaram as próprias armadilhas. Os custos com os materiais não chegaram a R$0,50”, explicou Cleidiane. Como resultado, houve redução nas perdas na produção e nos custos operacionais. Com isso, outras variedades de olerícolas foram introduzidas, mantendo o pensamento na preservação ambiental e na saúde dos consumidores.

Novos mercados

O acompanhamento periódico ao qual Júlio tem tido acesso no ATeG trouxe mais qualidade e ajudou a ampliar os mercados. Em apenas 6 meses, a projeção do resultado para o primeiro ano é de um aumento de 7,14% na margem de renda bruta, se comparado aos números que eram verificados no projeto anterior.

Além disso, a expectativa é que os negócios dêem um salto, já que a família foi contemplada com a parceria entre o Sistema Faemg Senar e a startup Clicampo, que funciona como um marketplace para agricultores familiares, conectando pequenos e médios produtores a restaurantes e varejistas nos grandes centros, a preços mais justos de mercado.

“Só temos a agradecer. Quando a técnica de campo chegou, percebi que tudo que a gente soma de conhecimento ao longo do tempo sozinho ainda é pouco. Ela trouxe técnicas que não conhecíamos e tem nos ajudado muito. Avançamos a cada mês de atendimento”, concluiu o produtor.


 

}