Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Dias
0 0 0
Horas
0 0
Minutos
0 0
Segundos
0 0
Compartilhe


Reunião esclarece leis importantes para os queijeiros

CT DO QUEIJO MINAS ARTESANAL
ESCRITO POR JANAINA ROCHIDO, DE BELO HORIZONTE
07/02/2023 . SISTEMA FAEMG, FAEMG

A Comissão Técnica do Queijo Minas Artesanal do Sistema Faemg Senar reuniu-se na manhã desta terça-feira (7/2) tendo como um dos pontos principais da pauta as dúvidas dos produtores a respeito das diferenças entre as leis nº 13.860 de 2019 (Queijos Artesanais) e a nº 13.680 de 2018 (Selo ARTE). O chefe de Divisão das Políticas de Desenvolvimento Rural do Ministério da Agricultura, Carlos Caioca, foi convidado para explicar os detalhes.

A partir da esquerda: Altino Rodrigues, Frank Barroso, Ebinho Bernardes e Toninho de Pompéu

O presidente do Sistema Faemg Senar, Antônio de Salvo, e o vice-presidente de Secretaria, Ebinho Bernardes, também participaram da agenda presidida por Frank Mourão Barroso, que reuniu representantes de várias regiões produtoras mineiras e membros de outras entidades. 

Antônio de Salvo ressaltou a importância do trabalho da comissão para o fortalecimento da produção de queijo no estado e reforçou o trabalho do Sistema no acompanhamento da legislação e do mercado no que afeta os produtores rurais.

O superintendente de Relações Institucionais do Sistema Faemg Senar, Altino Rodrigues, e o assessor especial da Diretoria, Antônio Álvares, o Toninho de Pompéu, também estiveram presentes.

O presidente Antônio de Salvo (à direita) durante a reunião

Legislação específica

Datadas de 2018 e 2019, duas importantes leis que regem o trabalho dos queijeiros vem deixando os produtores confusos e, por isso mesmo, a Comissão Técnica trouxe Carlos Caioca, do Ministério da Agricultura, para explicar as normas.

Segundo Caioca, para começar, existe uma confusão em tratar o produto artesanal com a mesma legislação dos produtos industrializados. “O que precisamos esclarecer aqui hoje é que a concessão do Selo Arte hoje está a cargo do Estado, nas condições necessárias – uma das principais é que o produto seja artesanal e tenha uma inspeção oficial. A inspeção oficial sim, pode ser municipal, estadual ou federal”, começou.

Carlos Caioca, do MAPA

“Já o Selo do Queijo Artesanal, da Lei 13.860, pode ser concedido pelo município, o estado ou a união. Existe uma portaria que permitiu ao município também conceder o Selo Arte, mas a portaria não tem o mesmo valor da Lei, é infralegal, é o que está confundindo os produtores. O município continua podendo apenas fazer a inspeção, que é o SIM. De qualquer forma, o objetivo dos dois selos é o mesmo: tornar possível a comercialização desses queijos no país inteiro”, concluiu.

De acordo com o presidente da Comissão Técnica, Frank Mourão, além dos esclarecimentos sobre as leis para registro das queijarias, a reunião também relembrou a importância da candidatura dos modos de fazer queijo a Patrimônio Imaterial da Humanidade, discutiu a agenda de trabalho para este ano e mostrou algumas atividades do Programa de Assistência Técnica e Gerencial – ATeG Agroindústria para os queijeiros.