Compartilhe


GQC proporciona incremento da atividade no Triângulo

GESTÃO COM QUALIDADE EM CAMPO
ESCRITO POR JULIANA FIDELIS, DE UBERABA
13/11/2023 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR

Dez propriedades de pecuária de leite e de corte do município de Itapagipe, no Triângulo Mineiro, conseguiram melhorar o planejamento e incrementar a atividade rural com as orientações do Programa Gestão com Qualidade no Campo (GQC). Um exemplo é a Fazenda São José, que aumentou a margem bruta em 10% por lote e cresceu a produção leiteira em 500 litros por dia após o programa. Os treinamentos duraram quatro meses, entre julho e outubro, e incluíram uma consultoria diretamente na propriedade. A realização é do Sistema Faemg Senar e do Sindicato dos Produtores Rurais do município, com apoio da Prefeitura Municipal.

“Todos chegaram ao final do curso com o planejamento estratégico pronto para os próximos cinco anos, que é o nosso objetivo geral. Os produtores puderam expor suas limitações e, diante delas, avaliamos as oportunidades, os pontos fortes, as ameaças. Agora todos têm uma planilha eletrônica para acompanhar os indicadores de desempenho e fazer a gestão da propriedade. O programa também traz inovação e tecnologia para que eles possam, por meio dos dados e informações, tomar decisões mais seguras”, explicou o instrutor do Sistema Faemg Senar, Walmes Mendonça.

Ele destacou que, ao longo do programa, os participantes receberam informações sobre gestão e qualidade para a promoção da sustentabilidade do negócio rural. “Trabalhamos o planejamento, organização de materiais, organograma, atribuições de cada um, liderança e gerenciamento de pessoas, que é um dos grandes gargalos do produtor rural. Também abordamos ferramentas para soluções de problemas, melhoria de processos e da qualidade da gestão, que contribuem para a tomada de decisão”, afirmou Mendonça.

Suporte na gestão da propriedade

O Programa GQC foi o suporte que o engenheiro civil Hebert Silva Ferreira precisava para encarar o desafio de gerenciar a propriedade do sogro, a Fazenda São José, que conta com cerca de 200 animais, entre vacas e novilhas. Sem experiência na atividade rural até assumir a função, ele avaliou que o programa ajudou a “dar um norte” no seu trabalho.

“Eu sempre atuei nas áreas administrativa e financeira e, há sete meses, quando meu sogro me convidou para o ajudar na gestão da fazenda, o maior desafio era a diferença no modelo de trabalho a que eu estava habituado. Aqui não trabalhamos só com números, mas também com o fator humano e animal”, explicou.

Após três meses na gestão da fazenda, ele ingressou no GQC e avalia que valeu a pena participar. “Eu precisava aplicar o conhecimento financeiro que tinha para o agro. O Walmes me apresentou o seu método e fomos lapidando as informações. O programa é muito esclarecedor, auxilia bastante e abre a mente do produtor rural. Quem não conhece deve aderir”, afirmou.

Com as orientações do GQC, Hebert alcançou importantes resultados. Em quatro meses, a média da margem bruta passou de 40% para 50% por lote de animais. A produção diária de leite, que era de 1.400 litros, passou para 1.900 litros com ajustes na alimentação, medicamentos e no tratamento do bem-estar dos animais. A margem de ganho foi de 4% a 12% por animal. Com o planejamento da propriedade definido, ele já sabe quais são as prioridades: investir na renovação do rebanho e no melhoramento genético. “Estamos focados em ter mais qualidade de animais, com uma produção estável”, completou.

Mobilização

O agente de desenvolvimento rural do Sindicato de Itapagipe, Paulo César Barbosa de Oliveira, responsável pela mobilização do grupo, disse que a intenção foi buscar produtores que têm a iniciativa de mudar o pensamento de donos de fazenda para empresários e empreendedores rurais. “Quando há vontade de evolução, é incrível. Foi um GQC de muito conhecimento e crescimento dos produtores”, afirmou.

O instrutor Walmes Mendonça incentiva que os produtores agora participem do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), desenvolvido pelo Sistema Faemg Senar. “É fundamental que todos façam o ATeG, pois terão muito mais fundamento e conhecimento de gestão para aplicar os números e indicadores de desempenho. Com certeza, terão resultados mais profundos”, completou.

Para o gerente regional do Sistema Faemg Senar, Ricardo Tuller, o bom desempenho do grupo de Itapagipe é um demonstrativo das conquistas proporcionadas pelo GQC. “A mudança de visão de propriedade para empresa rural é um dos resultados mais significativos do programa, que trabalha a gestão e eficiência do negócio rural. Essa turma foi muito bem mobilizada, o que potencializou os índices alcançados pelos participantes”, finalizou.

}