Conheça o SENAR

O SENAR MINAS (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – Administração Regional de Minas Gerais) é responsável pela capacitação profissional e promoção social do produtor, do trabalhador rural e seus familiares.

Cursos

O SENAR MINAS oferece mais de 300 cursos nas áreas de Formação Profissional Rural e Promoção Social, gratuitos e voltados para capacitação e qualidade de vida do produtor e trabalhador rural e suas famílias.

Instrutor Mobilizador Licitações
Compartilhe

Acolhimento e empatia no Campo das Vertentes

PROGRAMA SAÚDE ITINERANTE
ESCRITO POR FLÁVIO CHRISTO, DE JUIZ DE FORA
02/05/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR

O Programa Saúde Itinerante do Sistema FAEMG esteve em Bias Fortes no dia 29 de abril. O público atendido foram mulheres que precisavam fazer exames de mamografia ou preventivos, encaminhadas pela secretaria de saúde da cidade. Nos dias 25 e 27 o Caminhão da Saúde passou pelo distrito de Correia de Almeida e pela cidade de Senhora dos Remédios, onde foram realizados 160 exames.

Iracema Flisch, mobilizadora do Sindicato Rural de Barbacena, disse que é importante a parceria com as secretarias de saúde locais para que esses exames sejam realizados. “Os agentes cadastram essas mulheres. Junto com elas vem o pedido médico, exames, carteira do SUS, identidade e CPF”. Ela também percebeu que, por conta da pandemia, e também pela distância, muitas mulheres estavam há anos sem realizar nenhum dos exames oferecidos. “As pessoas não saiam para nada, ainda mais da zona rural, que era preciso ir a Juiz de Fora ou a Barbacena”.

Em Bias Fortes foram realizadas 80 mamografias e 40 preventivos. O “Caminhão da Saúde” é uma iniciativa do Sistema FAEMG que leva assistência à produtora e ao produtor rural, tanto na realização de exames como na conscientização da importância da saúde preventiva. Carlos Rezende, assistente de Promoção Social no Sistema FAEMG que acompanha a equipe, disse que sente muito orgulho em fazer parte desse projeto, que faz a diferença na vida das pessoas. “Me sinto muito grato, feliz e honrado. Muitas vezes é difícil para a população rural ter acesso a este tipo de atendimento, muitas comunidades rurais ficam sem assistência à saúde”.

Empatia e acolhimento

A equipe é dedicada e tenta sempre prestar um bom atendimento. Carlos conversa pessoalmente com todas as mulheres atendidas. Ao entregar os exames, ele explica para elas que em cerca de 15 dias, o laudo vai ser entregue por um agente de saúde, e que com o resultado ela deve procurar o posto médico. “Esta população merece ser tratada com respeito e atenção, pois são eles que garantem o fornecimento de alimentos para o restante da população”, disse.

A técnica em radiologia Rafaela Torres é quem vem realizando as mamografias durante a última quinzena de atendimentos. Ela diz que o trabalho, muitas vezes, precisa ser também de orientação e escuta, para compreender os medos de cada mulher atendida. “Chegam mulheres de 50 anos que nunca fizeram uma mamografia, outros casos em que está há quatro ou cinco anos sem fazer um exame médico. Às vezes muitas não vêm pois não querem procurar más notícias. Não estão se sentindo mal e preferem não procurar atendimento”. A mamografia precisa ser feita em mulheres com 40 anos ou mais, porém é um exame desconfortável, o que também costuma causar recusa em algumas mulheres. “Tem que saber lidar, saber conversar, é um exame dolorido, então temos que explicar. Tem que ter empatia com a mulher, em primeiro lugar, e paciência para saber receber a paciente”.

Mulheres colocam os exames em dia

Tinha gente que estava precisando de um exame desses há muito tempo. A Liane Marta é dona de casa e, há mais de 10 anos, não fazia uma mamografia. Ela aproveitou a oportunidade para colocar a saúde em dia. “Eu fiz o preventivo e sei que está tudo bem. A mamografia eu vou esperar o resultado, mas estou confiante. O atendimento foi ótimo e rápido, além de ter sido muito bem tratada por todo mundo”. Ela estava satisfeita por ter feito os exames e também por economizar tempo e dinheiro. “Eu já ia procurar para fazer [a mamografia], mas teria que ir em Juiz de Fora. Agora estou aliviada, primeiro pois fiz o exame, e segundo que não precisei viajar para fazer isso”.

A Maria José estava em uma situação parecida. Já vinha procurando maneiras de fazer a mamografia e o preventivo. Seus últimos exames foram há cerca de cinco anos, mas teria que viajar 80 km para fazer esses procedimentos. “Ia ter que ir lá fora fazer. Veio o caminhão e facilitou minha vida. Estou muito feliz de ter conseguido fazer esses exames”.