Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Meio Ambiente

Acesse informações técnicas sobre a gestão ambiental na atividade agropecuária em Minas Gerais.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Uso do Fogo

O fogo, como forma de manejo de atividades agropecuárias, é utilizado no meio rural há milênios. Esta prática, entretanto, deve ser evitada e, quando for necessária, deve merecer do produtor rural muita atenção. Atualmente, ainda mais cuidado tem tido o produtor rural com o meio ambiente. O uso do fogo pode se tornar um prejuízo, pois além de emitir gases do efeito estufa, que preocupam os estudiosos das mudanças climáticas, há ainda o grande risco de que a queima se alastre de forma descontrolada, tornando-se um incêndio florestal. Aí, o prejuízo é grande. Perdem o próprio produtor, os vizinhos e a natureza. 

O que é incêndio florestal

É o fogo sobre o qual se perdeu o controle.

O que é a queima controlada

É o uso do fogo, de maneira planejada, devidamente autorizado pelo IEF, para eliminar a vegetação ou restos de cultura, para determinados fins produtivos, mantendo-o sob controle. Além de ter a autorização no local da queima controlada, as recomendações constantes no verso da autorização devem ser seguidas.

Autorização para queima controlada

I. Aviso de Queima Controlada, para áreas em que a vistoria prévia é facultativa;

II. Autorização para Queima Controlada, para áreas em que a vistoria prévia é obrigatória;

III. Procedimentos para obtenção da autorização para queima controlada;

IV. Validade da autorização.

I. Aviso de Queima Controlada, para áreas em que a vistoria prévia é facultativa: 

Suspensão das autorizações em MG

• De acordo com a Portaria IEF nº 192, de 2010, ficam suspensas, no Estado de Minas Gerais, as autorizações para a prática de queima controlada, emitidas por aquele órgão, toda vez que a umidade relativa do ar for inferior a 20%, (vinte por cento), considerada a média diária, de acordo com os dados apurados pelo INMET- Instituto Nacional de Meteorologia;

• A retomada da queima controlada suspensa na forma item anterior ocorrerá automaticamente, tão logo a umidade relativa do ar atinja valores iguais ou maiores que 20% (vinte por cento), considerada a média diária, de acordo com os dados apurados pelo INMET- Instituto Nacional de Meteorologia, voltando a ter plena validade as autorizações de queima controlada emitidas pelo órgão ambiental competente- IEF;

• Fica proibida a queima controlada na área de jurisdição do escritório regional do IEF do Triângulo Mineiro, nos horários de 10h às 18h, no período de 1° de junho a 30 de setembro;

• O período de proibição da queima controlada estipulada no item anterior poderá ser ampliada ou reduzida pelo órgão ambiental competente - Instituto Estadual de Florestas, de acordo com as condições climáticas apuradas pelo INMET -Instituto Nacional de Meteorologia.

Neste caso, o produtor deve notificar (avisar) com antecedência ao Instituto Estadual de Florestas – IEF, que vai fazer a queima controlada, mediante formulário próprio, disponível em todos os escritórios do órgão. Mesmo sem vistoria, as orientações do IEF para a queima devem ser seguidas. Será expedida pelo IEF a Carteira de Autorização para Queima Controlada, que deve ser portada no local onde ocorrerá a queima.

As áreas onde a vistoria prévia é facultativa são as seguintes:

a) as que contenham restos de cultura;

b) cultivo de cana-de-açúcar;

c) áreas de pastagens.

Atenção: a queima controlada no período compreendido entre dezoito horas (18:00) e seis horas (06:00) somente poderá ser realizada após prévia vistoria técnica. Ainda, é preciso observar se a área não está em nenhuma situação descrita no item II, abaixo, caracterizando a necessidade de vistoria.

II. Autorização para Queima Controlada, para áreas em que a vistoria prévia é obrigatória: 

Neste caso, é necessário fazer um Requerimento para Queima Controlada ao Instituto Estadual de Florestas – IEF, que poderá emitir a autorização com as devidas recomendações. Esta autorização deve ser mantida no local onde ocorrerá a queima controlada, para fins de fiscalização.

As áreas onde a vistoria prévia é obrigatória são as seguintes:

a) que contenham restos de exploração florestal dispostos em leira ou coivara;

b) que contenham espécies prejudiciais à cultura dominante e vise sua eliminação;

c) áreas situadas às margens das rodovias federais e estaduais;

d) áreas situadas dentro ou no entorno de unidades de conservação, limítrofes às áreas de reserva legal e de preservação permanente;

e) limítrofes a áreas exploradas sob o regime de plano de manejo florestal;

f) A queima controlada no período compreendido entre dezoito horas (18:00) e seis horas (06:00) somente poderá ser realizada após prévia vistoria técnica.

III. Procedimentos para obtenção da autorização para queima controlada:

Documentação:

• requerimento feito em formulário próprio do IEF;

• certidão de registro do imóvel atualizada;

• na ausência do documento anterior, a comprovação da posse justa ou contrato de arrendamento e/ou parceria;

• cópia da carteira de identidade e ou CNPJ;

• planta planimétrica a critério técnico (áreas menores que 50 ha devem apresentar croquis)

Obs.: A posse justa é aquela havida de boa fé há mais de 01 ano, e deve ser feita mediante declaração do possuidor com o consentimento de todos os confrontantes da área.

A formalização do processo de autorização da queima controlada depende ainda dos seguintes documentos:

• laudo de vistoria técnica para queima controlada;

• plano de queima controlada (a critério do técnico).

Técnicas, cuidados e condições para a realização da queima controlada:

• a autorização para a queima controlada será feita de acordo com as condições climáticas de cada região e da propriedade;

• a queima controlada deverá ser conduzida, salvo se houver recomendação técnica em contrário, preferencialmente nos seguintes horários: na parte da manhã, entre 6 e 8 horas, e na parte da tarde, entre 16 e 18 horas. Isto se deve ao fato de que, nestes horários, a temperatura está mais baixa e a vegetação mais úmida, tornando mais lenta a propagação do fogo;

• o cuidado com o vento, ao fazer a queima controlada, é de grande importância para orientar o fogo e ter mais segurança;

 

O plano de queima controlada deverá contemplar, entre outros, os seguintes requisitos:

• definição de técnicas, equipamentos, mão-de-obra a ser utilizada, aviso aos vizinhos, construção de aceiros, etc.

IV. Validade da autorização: 

O prazo de validade da Autorização para Queima Controlada é 15 (quinze) dias, podendo ser prorrogada, por igual período a critério técnico.

Para área autorizada acima de 50 (cinqüenta) hectares, com substrato de cana-de-açúcar, pastagem e ou restos de cultura a queima deverá ser programada por talhões. Excepcionalmente, para o substrato de cana-de-açúcar, o prazo de validade da autorização para queima controlada poderá ser de até 30 (trinta) dias.

Legislação básica

Lei 12.651 Federal:
Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências.

Lei 10.312 Estadual (12/11/1990):
Dispõe sobre a prevenção e o combate a incêndio florestal e dá outras providências.

Portaria IEF 122 Estadual (02/09/2004):
Dispõe sobre procedimentos e normas internas, para fins de regulamentação do Art. 2º e Art. 9º do Decreto Estadual n.º 39.792, de 05 de agosto de 1998.

Decreto Estadual 39.792 Estadual (05/08/1998):
Regulamenta a Lei de nº 10.312, de 12 de novembro de 1990, que dispõe sobre a prevenção e combate a incêndio florestal e dá outras providências.

Decreto Estadual 43.813 Estadual (28/05/2004):
Altera o Decreto nº 39.792, de 5 de agosto de 1998, que regulamenta a Lei nº 10.312, de 12 de novembro de 1990, que dispõe sobre a prevenção e combate a incêndio florestal.

Deliberação Normativa COPAM 133 Estadual (15/04/2009):
Regulamenta a prática da queima de cana-de-açúcar para fins de colheita, e dá outras providências.

Portaria IEF 192 Estadual (03/09/2010):
Dispõe sobre proibição da queima controlada no Estado de Minas Gerais.