Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Meio Ambiente

Acesse informações técnicas sobre a gestão ambiental na atividade agropecuária em Minas Gerais.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Rastreabilidade é arma para alimento seguro

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
ESCRITO POR GRUPO PUBLIQUE
24/02/2021 . INAES

Cadeia produtiva de carne bovina vai usar um dos maiores bancos de informação e identificação individual de bovinos do mundo para aumentar as exportações para mercados exigentes e oferecer mais qualidade à proteína comercializada dentro do país

É uma nova fase no processo de modernização da pecuária do Brasil. Que acompanha a chegada das vacinas contra a Covid-19 em diversos países do planeta e o controle mínimo da pandemia. Depois de o Brasil bater novo recorde de vendas internacionais de carne bovina em 2020, com mais de dois milhões de toneladas, em 2021 pode avançar ainda mais nos negócios com os importadores e no próprio mercado interno. Usando duas importantes armas. A primeira é o arsenal imenso de dados coletados nas duas últimas décadas pelo Sistema de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos (SISBOV), criado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) como ferramenta de controle sanitário e fiscalização das propriedades rurais que cumprem protocolos internacionais e exportam a mercados mundiais mais exigentes, como a União Europeia.

A Certificação mira a fazenda, a indústria, a cadeia e o consumidor final

Um sistema de rastreamento individual dos animais que vigora há vinte anos, com milhões de cabeças de gado registradas, do nascimento ao abate. Um banco de dados sem comparação entre os maiores países produtores e exportadores do planeta. Uma certificação que, atualmente, permite ao pecuarista receber até R$ 4 a mais por arroba comercializada, levando mais lucro para toda a cadeia, premiando o produtor, valorizando os negócios dos frigoríficos, obtendo proteína de qualidade para comercialização e ganhando a confiança dos consumidores internacionais.

Outra ferramenta é uma data histórica para a pecuária brasileira, a carne bovina e a comercialização de alimento de qualidade nas fazendas do país. Em fevereiro, o MAPA finalizou o processo de transição da gestão do SISBOV para a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA), que já vinha atuando desde 2009 na gestão de protocolos no país. “O Brasil é pioneiro em rastreabilidade, possui um dos maiores bancos de informação de bovinos do mundo, mas ainda não explora devidamente esta rica fonte de dados. Precisamos usá-los de forma global, e para o produtor também, que está na lida, no dia a dia, para ele ter mais ganhos, maior competitividade e mudar efetivamente o seu negócio”, explica o Vice-Presidente da Associação Brasileira de Empresas de Certificação (ABCAR), Aécio Flores, entidade criada no início de 2019 e que congrega 90% das empresas do setor, incluindo os produtos orgânicos, e a maioria dos fabricantes de equipamentos e acessórios. A associação também tem vaga garantida na Câmara Temática da Agricultura Orgânica, na Câmara Setorial da Carne Bovina, e representa os pecuaristas clientes junto às outras entidades, como a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (ABIEC) e o próprio MAPA. “É uma nova sistemática em processos de certificação. Uma visão construída e sedimentada ao longo desses últimos dez anos. O Governo Federal segue como o responsável perante os outros países, mas cada vez menos na operação propriamente dita. São quase vinte anos com a cadeia produtiva exportando carne bovina de qualidade para a Europa. Trabalho de pecuaristas, certificadoras, fabricantes de equipamentos, o MAPA, agentes particulares e várias entidades de classe. O Ministério tem o objetivo final de apenas emitir o certificado internacional, que é competência da autoridade governamental. É uma dinâmica melhor, mais rápida. O protocolo conduzido pela classe produtiva e pelas empresas que fizeram história na Certificação Europa vai chegar a uma aplicabilidade mais eficiente na fazenda, auxiliando ainda as empresas e a indústria do setor. E também poderemos atuar no sentido de criar novos protocolos. Estamos vivendo uma nova realidade”, analisa o Médico Veterinário, Presidente da ABCAR e um dos pioneiros da criação do SISBOV, Luis Henrique Witzler.

As empresas certificadoras têm aproximadamente dois mil clientes que exportam carnes para a Europa, o continente mais rigoroso na compra de carne bovina, com rastreabilidade dos rebanhos no período de confinamento (100 dias) e a partir da desmama (Cota Hilton). No Sisbov, são 120 mil toneladas por ano. Na Cota Hilton, mais exigente, não consegue ocupar totalmente o limite de comercializar 65 mil toneladas anuais. “A certificação é um procedimento importante para acessar qualquer mercado. É um procedimento sem igual no mundo. Não é amostragem. Todos os animais são rastreados. E ainda possibilita às fazendas ganhos paralelos na gestão do negócio, comercialização dos animais, nos preços mínimos maiores, controles sobre ração, nas dietas, na armazenagem, seleção dos animais e nos custos gerais”, acrescenta Aécio Flores, um administrador de empresas, gaúcho de Esteio, dono da Planejar, que atua há trinta anos, no Brasil inteiro, no segmento de Certificação. “Comecei a trabalhar em 1994, criando soluções e sistemas para a Agropecuária, sobre controle de custos de produção. Com a chegada do Sisbov, desenvolvemos habilidades para a certificação de bovinos e propriedades dentro do programa do Ministério. Era uma época em que ninguém se preocupava com números na fazenda. E sempre entendi que uma boa informação poderia ajudar o pecuarista a comprar e vender bem seus animais. A gestão ainda é fraca na cadeia bovina brasileira inteira, porém está em pleno andamento um processo de modernização. Hoje, a cadeia tem o controle. Temos um volume pequeno de comercialização com a Europa, que exige rastreabilidade e paga bem pela carne bovina. Mas poderia ser bem maior pela nossa capacidade de produção e excelência de animais. Precisamos entender que o que fazemos é bom, valorizar nosso trabalho, expandir o número de fazendas que utilizam o sistema. O processo da rastreabilidade e da certificação é para dar segurança a todos os elos da cadeia. Todos ficam seguros. E os frigoríficos conseguem atingir os mercados mundiais que pagam mais. É questão de atender a demanda. E a exigência sanitária de produtos alimentares não é o futuro. É o presente. O mundo exige cada vez mais segurança sobre o que consome. O próprio brasileiro persegue mais segurança. Todos querem saber onde está o animal, se é bem tratado, se tem problema de zoonose, se tem controle”, acrescenta.

Para auxiliar a pecuária brasileira moderna e o sistema de informação do segmento, a ABCAR projeta para 2021 um período de subir degraus, vencer os desafios, juntar empresas similares de atuação, mostrar que a rastreabilidade não onera o produtor. “Temos assentos nas câmaras que são fundamentais para a tomada de decisões nas áreas de carne bovina e orgânicos. Queremos valorizar o mercado e trazer benefícios para o produtor que nos contrata porque ele é quem tem o nosso serviço, é o maior beneficiado do processo. A ABCAR está ao lado da CNA e do pecuarista para uma parceria mais estruturada. Conversamos bastante e costuramos uma parceria positiva para todos os elos da cadeia produtiva. É um novo momento, um avanço para o setor, que assume os reais benefícios e custos da operação. Com informação, transparência e união. Um passo importante na modernização da Pecuária do Brasil”, concluiu.