Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Rio Preto tem 11 novos Agentes de Turismo Rural

TURISMO RURAL
ESCRITO POR FLÁVIO CHRISTO, DE JUIZ DE FORA
19/05/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, SENAR

Rio Preto tem agora 11 novos Agentes de Turismo Rural prontos para atuar na região em um circuito batizado de Sertão Prohibido, que inclui as cidades de Rio Preto, Lima Duarte, Bom Jardim de Minas, Santa Bárbara de Monte Verde, Santa Rita de Jacutinga, Olaria e Valença. Os detalhes do roteiro foram revelados durante a solenidade de formatura da turma conduzida pela instrutora Fernanda Corrêa da Silva, realizada na última semana.

O nome do roteiro faz referência à proibição de construções e habitações na região do vale do rio Preto, vigente durante o período em que o Brasil era uma colônia, por conta de ali ser rota de escoamento de ouro da coroa portuguesa. As atrações incluem cachoeiras e grutas, parques naturais como as Serras Negra e do Funil, propriedades rurais, restaurantes, degustação de queijos, cachaças, fabricação de bolos, biscoitos e doces.

Estiveram presentes à cerimônia o gerente regional do Sistema FAEMG em Juiz de Fora, Wander Magalhães, a presidente do Sindicato Rural de Rio Preto, Gláucia Duque, o prefeito de Santa Bárbara do Monte Verde, Fábio Nogueira, o presidente da Câmara Municipal de Rio Preto, Celso Ferreira, além de secretários, familiares e convidados. Wander Magalhães ressaltou a importância desse tipo de programa para cidades pequenas, onde o foco da vida já é rural e, por isso, a atuação do agente adquire uma proporção ainda maior. “A gente identificou uma demanda muito forte aqui, com a Serra da Mantiqueira, a Serra Negra e a Serra do Funil. O potencial turístico é enorme. Já é explorado, mas pode ser ainda melhor. Capacitamos profissionais para desenvolver toda a potencialidade do turismo nos municípios”.

Celso Ferreira ressaltou que esses novos agentes podem ser uma grande oportunidade de renda para a cidade. “O turismo é a redenção da nossa economia. A região do Funil e de Três Cruzes tem muitas boas atrações. O nosso clima é especial, é possível aproveitar tanto no inverno, com o aconchego das montanhas, quanto no verão para fazer trilhas e conhecer cachoeiras”. Fábio Nogueira diz que acompanha a questão do turismo rural há algum tempo e que estava aguardando pela oportunidade dessa formatura. “Um belíssimo trabalho do Sindicato e do Sistema FAEMG, com a Fernanda e o Wander. A vida é de trabalho e pensamentos positivos. Temos que dar as mãos, fazer um bom trabalho e acreditar que agora poderemos alavancar o turismo na nossa região”.

Gláucia Duque acredita que os 11 novos agentes vão deixar a cidade mais preparada para as demandas da cidade. “O turismo por aqui vem crescendo muito. É muito importante um programa como esse. Até para o produtor rural, que vai poder se diversificar, fazer um restaurante, uma pousada, e ainda melhorar a qualidade de vida da pessoa que vive no campo”. Altina Vieira, mobilizadora em Rio Preto e Santa Bárbara, participou de diversas reuniões e todas com muita adesão. A seleção do grupo foi muito difícil e ela acredita que conseguiram uma boa turma de agentes. “Tínhamos 25 inscritos para 15 vagas, e hoje 11 se formam. São pessoas que foram muito bem preparadas, com formações com perfil de empresários que estão prontos para empreender no turismo da região”.

Novos agentes manifestam gratidão

Não foi uma formatura qualquer. Durante todo o evento era evidente a conexão que havia sido formada entre os alunos e a instrutora Fernanda Silva. Durante os discursos, os agentes renderam diversos agradecimentos à Fernanda e à “Tininha”, como é chamada por eles a Altina, mobilizadora do sindicato. Dentre os agradecimentos, foram ressaltadas a entrega e o profissionalismo de ambas. A instrutora Fernanda Silva disse que esse curso complementou todo um trabalho que já vinha sendo feito em Rio Preto, com diversos cursos e oficinas que preparam o caminho para esse momento. “Eu adorei trabalhar aqui. Criamos empreendimentos rurais, formamos condutores de trilhas, artesãos. Em função de tudo isso, percebemos que estava na hora de fomentar o turismo aqui. Era um desejo do sindicato já há muito tempo e conseguimos concluir com muito êxito. São 11 roteiros e um grupo muito interessado em atuar”.

Jennifer Leiroz é uma das novas agentes. Ela é pedagoga e atua com educação desde 2014, porém sempre quis trabalhar com turismo. Desde 2020 ela vem fazendo cursos com o SENAR e viu no Programa Agente de Turismo Rural uma oportunidade de empreender. “Aqui, além dos atrativos naturais, ficam desconhecidos de muita gente propriedades que tem bons cafés, produtos da roça e até cachoeiras em propriedades privadas que o dono do local nem sabia que podia monetizar. Quando começamos a visitar as propriedades no curso já fomos imaginando os roteiros que a gente podia criar”.

Renata (ao centro) e Jennifer (à direita)

A enfermeira Renata Figueiredo já havia feito o curso de condução em trilha, e se superou para participar do Programa. Ela diz que teve muita dificuldade por questões de saúde, mas que concluir essa etapa, para ela, é uma grande vitória. “Me mostrou que eu sou capaz. Eu vou colocar em prática o que aprendi. Eu abri uma agência de viagens, já estou trabalhando no ramo de hospedagem. Foi muito aprendizado que eu tive, e eu pretendo mesmo continuar a trabalhar com turismo”.

Bárbara Reis trabalhava com barbearia antes e agradeceu muito a oportunidade de ter essa capacitação. “Dá uma base de tudo para a gente. Quando olhamos nossa região já aprendemos a ver com outros olhos. A ver as coisas como um todo, as oportunidades e os atrativos”. Luís Henrique trabalha com turismo desde 2007, e disse que ainda teve muito aprendizado durante os módulos do curso. “Nesses cursos a gente aprende muita coisa. Se recicla, reforça e renova o conhecimento”.