Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Sistema FAEMG rebate noticiário sobre preços de produtos do agro

AGRICULTURA
ESCRITO POR ASCOM
17/03/2022 . SISTEMA FAEMG, SINDICATOS, FAEMG
Wenderson Araujo/Trilux/CNA

Nos últimos dias, a imprensa tem noticiado a alta dos preços da cenoura. Em várias reportagens, ela é citada como a “vilã da inflação”. O gerente de agronegócios do Sistema FAEMG/SENAR/INAES/Sindicatos, Caio Coimbra lembra que manchetes como estas, que não esclarecem os leitores sobre os fatores que estão impactando nesta alta de mercado, só contribuem para aumentar o abismo de informação do público urbano sobre o setor de produção de alimentos.

“Temos aqui uma reportagem que registra que a cenoura subiu 83,42% no acumulado dos últimos 12 meses. Mas ela não traz, por exemplo, que o seu custo de produção subiu cerca de 50% no mesmo período”, explica Caio Coimbra. Ele lembra que os insumos utilizados na produção da cultura, como os fertilizantes potássicos, aumentaram em mais de 200%.

“A imprensa precisa registrar que, há anos, o preço da cenoura estava estagnado em patamares muito baixos para o produtor rural. Com isso, tivemos redução de área plantada não só em Minas Gerais, mas também em estados como a Bahia e Goiás, grandes produtores da cultura, o que já reduziu a produção”. Ele lembra ainda que o excesso de chuvas no verão dificultou a produção das lavouras, reduzindo ainda mais a oferta. A qualidade da produção também foi afetada, devido à grande quantidade de descarte e quebra. “É preciso que haja informação de qualidade disponível para o consumidor. Os vilões não são a cenoura, ou o produtor rural. Há um contexto econômico que precisa ser compreendido”, alerta.