Conheça a FAEMG

A FAEMG (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais) defende os interesses dos produtores rurais do estado.

Crédito Rural

Veja informações sobre os financiamentos destinados aos produtores rurais, cooperativas ou associações para fomentar a produção e comercialização de produtos agropecuários.

Meio Ambiente

Acesse informações técnicas sobre a gestão ambiental na atividade agropecuária em Minas Gerais.

Informações Jurídicas

Acesse os documentos disponibilizados pela Assessoria Jurídica para auxiliar os produtores rurais.

Contribuição Sindical
Leiloeiros Rurais

Veja todas as informações sobre os leiloeiros rurais do estado de Minas Gerais.

Compartilhe

Sul de Minas investe em café vulcânico

AGRICULTURA
ESCRITO POR AGROLINK
25/02/2021 . SISTEMA FAEMG
Divulgação/Emater-MG

No final do ano passado Minas Gerais apresentou o café vulcânico. A bebida única é produzida às margens de um vulcão extinto há cerca de 80 milhões de anos na divisa mineira com São Paulo.

Com altitudes que chegam a 1500m, solo rico em minerais, clima ameno e um trabalho tradicional e cuidadoso dos produtores nasce um café de qualidade. São doze cidades integrantes da região, sendo oito mineiras: Andradas, Bandeira do Sul, Botelhos, Cabo Verde, Caldas, Campestre, Ibitiúra de Minas e Poços de Caldas, no estado de Minas Gerais, e quatro paulistas: Águas da Prata, Caconde, Divinolândia e São Sebastião da Grama.

Agora a região quer promover a bebida por meio de uma marca coletiva denominada Cafés da Região Vulcânica. Ela foi lançada oficialmente em 2020, durante a Semana Internacional do Café, mas o projeto iniciou em 2018.

A produtora e secretária da Associação dos Produtores do Café Vulcânico, Ana Maria Cagnani, destaca que o objetivo de criar a marca é torná-la única, além de desenvolver ações que beneficie os produtores, dar visibilidade ao potencial cafeeiro, além de propiciar reconhecimento do local.

Ana Maria conta que o café produzido na região vulcânica tem uma qualidade distinta devido à condição geográfica. “O clima mais frio e a altitude das lavouras que variam entre 700 e 1.300 metros, o solo rico em minerais e a tradição que a região possui no cultivo do café possibilitam uma produção diferenciada, um produto com boa acidez e intenso”, afirma.

Ana Maria acrescenta que pretende estender a certificação da marca também para o queijo, a uva, o azeite e o turismo rural.
A marca Cafés da Região Vulcânica é regulamentada, controlada e protegida pela Associação dos Produtores do Café da Região Vulcânica, que está em atividade desde 2012, sendo formada por membros e parcerias.